21 dezembro 2010

Muito se Pedirá Àquele que Muito Recebeu

“Muito se Pedirá Àquele que Muito Recebeu” é um subtítulo, transcrito nos itens 10, 11 e 12, do capítulo XVIII de O Evangelho Segundo o Espiritismo, “Muitos os Chamados e Poucos os Escolhidos”. Este tema mostra a estreita relação entre o conhecimento adquirido e a responsabilidade que daí advém, ou seja, pedir-se-á ao que tem, mas em compensação dar-se-lhe-á mais.

Antes da vinda do Cristo, a Terra possuía vasta cultura, principalmente aquela veiculada pelos grandes filósofos da antiguidade clássica grega. Faltava-lhe, porém, a educação moral, aquela que modifica o ser na sua essência. O Espírito Emmanuel, no capítulo 21, do livro Roteiro, lembra-nos que: o cativeiro consagrado por lei era flagelo comum; a mulher, aviltada em quase todas as regiões, recebia tratamento inferior ao que se dispensava aos cavalos; os pais podiam vender os filhos; as crianças fracas eram, quase sempre, punidas com morte; as feras devoravam homens vivos nos espetáculos e divertimentos públicos, com aplauso geral.

O suplício pelo qual Jesus passou na cruz dá novo ânimo aos seus seguidores; estes começam a dedicar-se aos doentes e infortunados; instituem-se casas de socorro para os necessitados e escolas de evangelização para o espírito popular; ensinam a compaixão e a solidariedade, a bondade e o amor, a fortaleza moral e a esperança; todos os seres humanos são tocados pela luz do Mestre; uma nova mentalidade é implantada no planeta terra.

De acordo com o preceito evangélico, o que tiver recebido mais conhecimento e não o tiver aplicado, será rudemente castigado; contrariamente, aquele que recebeu menos conhecimento e não o tiver aplicado, será menos castigado. É a noção de justiça. Como exigir daquele que não tem capacidade de entender a boa nova? Para tanto, urge conhecer a vontade do Senhor, consubstanciada na lei do amor, ensinada por Cristo.

Jesus quer nos chamar a atenção para a direção dos nossos olhos. Se olharmos as coisas com segunda intenção, com maldade, com desconfiança, então estaremos “pecando”. Por outro lado, quando ampliamos a nossa visão para as coisas do espírito, vamos nos tornando cegos para a concupiscência, para o erro, para o desvio com relação às Leis Naturais. É por isso que ele diz: “Se fôsseis cegos não teríeis pecado”.

Antevendo toda a deturpação que sua doutrina sofreria ao longo do tempo, Jesus falou-nos do Consolador Prometido, aquele que viria nos lembrar do que houvéramos esquecido e nos trazer novos conhecimentos. O Espiritismo veio abrir a nossa visão de mundo, para que pudéssemos enxergar além dos aspectos puramente físicos, pois ensina-nos que o verdadeiro mundo não é este, mas o mundo espiritual.

Caso tenhamos sido agraciados pelo Senhor da vida a respeito dos conhecimentos espirituais, não os deixemos estagnados. Ao contrário, passemo-los para os nossos irmãos, pois “Aquele que sabe e cala-se é como o avarento que amealha tesouros”. 

ver mais

01 dezembro 2010

Agradecer Sempre

O Espírito Emmanuel, comentando o texto evangélico "dando sempre graças a Deus por tudo, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo" (Paulo, Efésios, 5, 20), vislumbra-nos novos horizontes ante à dor e ao sofrimento, pois a maioria de nós ainda pergunta como se pode render graças a Deus pelas dores que sacodem a vida.

1) Durante o longo período de enfermidade (dificuldade de locomoção e de expressão), pudemos tomar consciência de nós mesmos, a fim de percebermos o socorro valioso do Alto para que não nos arrojássemos a tremendas lutas de espírito.

2) O suposto surrupio de oportunidade de trabalho, em que teríamos condições de assegurar a nossa subsistência, nada mais foi do que a Providência Divina que nos livrou de compromissos perigosos e arrasadores.

3) A perda de recursos materiais, que mais serviam para o nosso reconforto, foi o ato providencial para que não fôssemos vítima de criminosos assaltos.

4) A deserção de um amigo nos deixou tristes. Passado algum tempo, verificamos que foi para nos livrar de um pesado grilhão.

5) Não nos confiemos às aparências. Deus quer sempre o melhor para nós.

"Louva o céu azul que te imprime euforia ao pensamento, mas agradece, também, a nuvem que te garante a chuva, mensageira do pão".

Mesmo que não entendamos a nossa situação presente, depositemos a nossa total confiança em Deus, pois tudo o que estivermos recebendo hoje é para o bem do futuro.

XAVIER, F. C. Palavras da Vida Eterna, pelo Espírito Emmanuel. Rio de Janeiro: FEB (Capítulo 113)
ver mais

29 outubro 2010

A Filosofia Espírita e o Existencialismo Moderno

Filosofia é a ciência geral dos princípios e das causas. A Filosofia Espírita é a Filosofia vista sob o ponto de vista dos princípios codificados por Allan Kardec. Em metafísica, é qualificável de existencial tudo o que, por oposição ao essencial ou ao conceitual, concerne à afirmação de uma existência. O existencialismo é qualquer doutrina que admite, por oposição aos filósofos do conceito cujo modelo é o sistema hegeliano, a existência como centro de sua reflexão.

O existencialismo moderno surgiu como decorrência das duas grandes guerras mundiais: a Primeira Guerra (1914-1918); a Segunda Guerra (1939-1945). Na guerra, um ser humano destrói o outro sem o menor constrangimento. Daí, a percepção do sentido do absurdo juntamente com a do sentimento trágico da vida: desespero, náusea, nada.

Dentre os existencialistas, talvez Sartre seja o mais conhecido. A sua filosofia é a filosofia da consciência. Procura demonstrar que o Ego não está na consciência mas no exterior, no mundo, onde encontra o seu lugar de existência. No mundo, o ego aparece em “perigo”. Para ele, o cogito surge ofuscado pela inquietude da “facticidade”, e pensa: mesmo “estilhaçado”, o cogito se abre à liberdade, pois existir é superar a existência em direção à impossível essência, mas esse movimento é também transcendência.

Para o existencialismo, conforme o ser humano vai vivendo, ele vai formando a sua existência. Assemelha-se à tabula rasa de Locke. A essência é como uma folha em branco, que vai sendo preenchida pelas nossas experiências. No Espiritismo, não é assim que acontece, pois o Espírito, o princípio inteligente do universo (essência), toma um corpo (existência), mas é anterior ao corpo, porque já teve outras vivências passadas.

Segundo o existencialismo, se as pessoas agirem de conformidade com as atitudes inautênticas, ou seja, de modo mecânico e superficial, elas não sentirão nem medo, nem angústia. Quando, porém, optam pelo comportamento autêntico, em que a verdade se desvela, sentirão a angústia, que é a impossibilidade do possível. O Espiritismo não despreza o medo e a angústia, sintomas de nossa ignorância com respeito à lei de Deus. Mas, uma vez compenetrados dos ditames dessa lei, passamos a vê-los como um estado de transição para a perfeição de nosso Espírito imortal.

A sociedade individualista e consumista leva-nos irremediavelmente ao niilismo. Vendem-nos a ideia de que temos que ser ricos, poderosos, famosos. Com isso, todos os nossos recursos pessoais são deslocados para esse fim. A livre busca do saber e os sentimentos profundos da alma são considerados maus e reprimidos. Voltemos os nossos olhos para o saber dos antigos, principalmente o dos gregos.

O desespero, a falta de fé, a dor e sofrimento na atualidade são consequência da falta de valores morais sólidos, os quais têm sido medrados em nosso meio, principalmente no âmbito político. Quando relaxamos os valores morais, outros entram em seu lugar. Necessitamos urgentemente de uma mudança comportamental, para que possamos nos ater ao que é realmente vital para o nosso progresso espiritual.


ver mais

27 outubro 2010

O Termo Filosofia Espírita

Questão: podemos falar em Filosofia Espírita?

Para responder a esta questão, gostaríamos de remetê-los à entrevista feita por Mônica Aiub e Márcio José Andrade e Silva com Luiz Alberto Cerqueira, professor de Filosofia e diretor do Centro de Filosofia Brasileira (CEFIB), na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

De acordo com Luiz Alberto Cerqueira, “O mau hábito de imaginar que a atividade filosófica só se desenvolve em função de autores impede uma visão crítica do estudo de filosofia no país”. Acrescenta que aquilo que os gregos chamaram de filosofia, referida ao sujeito pensante, não é exclusiva dos gregos nem de qualquer cultura particular. Tem, assim, a preocupação de desenvolver o estudo filosófico em função de problemas, e não de autores. Acha que o modelo brasileiro desenvolvido em cima de autores é o câncer da vocação filosófica brasileira.

A filosofia pode ser alemã, inglesa, francesa, americana, mas não pode ser brasileira. Se ela pode ser alemã, por que não brasileira? Nesse caso, os filósofos são comentadores e não realmente filósofos. (1)

Se podemos falar em filosofia disso, ou filosofia daquilo, por que não podemos falar de Filosofia Espírita?

A Filosofia Espírita, entendemos nós, nada mais é do que o sujeito pensante elaborando os seus conceitos filosóficos, sob a direção dos princípios fundamentais, codificados por Allan Kardec. Nesse caso, somos obrigados a nos debruçar sobre as obras básicas do Espiritismo, principalmente, O Livro dos Espíritos.

José Herculano Pires, no livro Introdução à Filosofia Espírita, diz: “Na verdade, a Filosofia Espírita se apresenta, para o investigador imparcial, como o delta natural em que desemboca no presente toda a tradição filosófica”. (2)

(1) FILOSOFIA, CIÊNCIA & VIDA. Ano IV, número 42, 2009, p. 7 a 11.
(2) PIRES, J. H. Introdução à Filosofia Espírita. São Paulo: Paidéia, 1983.
ver mais

21 outubro 2010

Psicologia e Espiritismo


Psicologia é a ciência dos fenômenos psíquicos e do comportamento. Estuda as ideias, sentimentos e determinações cujo conjunto constitui o espírito humano. Psicanálise é o processo de exame psicológico que pretende descobrir no inconsciente neuropata as tendências, os desejos e os complexos perturbadores de sua alma. Psiquiatria é parte da medicina que estuda as doenças mentais, na sua etiologia, patogenia, manifestações clínicas e tratamento.

Os primórdios da Psicologia encontram-se: 1) na antiguidade grega, a afirmação de que é o espírito que vê o ouve (e não os órgãos sensoriais); 2) a classificação dos humores e sua relação com os temperamentos (sanguíneo, fleumático, melancólico e colérico); 3) Pitágoras e sua crença na imortalidade da alma; 4) Platão com sua teoria de que os desejos se satisfaziam nos sonhos, por meio de imagens, quando se achavam adormecidas as mais altas faculdades da mente.

A Psicologia só se afirma como “ciência”, independente da filosofia, e, objetiva, a partir da 2.ª metade do século XIX. Esse movimento se confirma com a elaboração progressiva de diversos métodos quantitativos e testes, além da constituição de várias teorias – behaviorismo e Teoria da Gestalt.

Muitos filósofos contribuíram para o desenvolvimento da Psicologia. Eis alguns deles: Santo Agostinho (430 d.C.) estudou os problemas da Psicologia sob o ponto de vista de um observador que descreve vivências reais; Thomas Hobbes (1588-1679) fez um sumário da psicologia incluindo as sensações, a imaginação e os sonhos; Descartes – com a sua dualidade espírito-matéria –, concebeu a possibilidade de uma ação puramente mecânica; Locke, em seu Ensaio sobre o Entendimento Humano, mesmo não sendo uma obra psicológica, inaugurou a psicologia da associação de ideias.

Sigmund Freud e Carl Gustav Jung foram os dois grandes expoentes da Psicologia. Freud interpretou os sonhos e desenvolveu o "método da associação livre", pelo qual conseguiu obter a cura de muitas doenças mentais. Jung deu sequência ao trabalho desenvolvido por Freud, porém de modo mais científico. Jung aprofundou-se no estudo do inconsciente.

O Espiritismo é a síntese de todo o processo de conhecimento. O Espírito Emmanuel, em O Consolador, responde a várias perguntas sobre a relação entre a Psicologia e o Espiritismo. Tomamos a liberdade de copiar três delas, com suas respectivas respostas.

Pergunta 45. A psicanálise freudiana, valorizando os poderes desconhecidos do nosso aparelhamento mental, representa um traço de aproximação entre a Psicologia e o Espiritismo?

Essas escolas do mundo constituem sempre grandes tentativas para aquisição das profundas verdades espirituais, mas os seus mestres, com raras exceções, se perdem na vaidade dos títulos acadêmicos ou nas falsas apreciações dos valores convencionais.

Os preconceitos científicos, por enquanto, impossibilitam a aproximação legítima da Psicologia oficial e do Espiritismo.

Os processos da primeira falam da parte desconhecida do mundo mental, a que chamam de subconsciente, sem definir essa cripta misteriosa da personalidade humana, examinando-a apenas na classificação pomposa das palavras. Entretanto, somente à luz do Espiritismo poderão os métodos psicológicos aprender que essa zona oculta, da esfera psíquica de cada um, é o reservatório profundo das experiências do passado, em existências múltiplas da criatura, arquivo maravilhoso em todas as conquistas do pretérito são depositadas em energias potenciais, de modo a ressurgirem no momento oportuno.

Pergunta 47. Por que, relativamente ao estudo dos processos mentais, se encontram divididos no campo da opinião os psicologistas do mundo?

Os psicologistas humanos, que se encontram ainda distantes das verdades espirituais, dividem-se tão-só pelas manifestações do personalismo, dentro de suas escolas; mesmo porque, analisando apenas os efeitos,, não investigam as causas, perdendo-se na complicação das nomenclaturas científicas, sem uma definição séria e simples do processo mental, onde se sobrelevam as profundas realidades do espírito.

Pergunta 48. O Espiritismo esclarecerá a Psicologia quanto ao problema da sede de inteligência?

Somente com a cooperação do Espiritismo poderá a ciência psicológica definir a sede da inteligência humana, não nos complexos nervosos ou glandulares do corpo perecível, mas no espírito imortal.

Em vista disso, concluímos que há necessidade de seus representantes (os psicólogos) deixarem de lado a vaidade, o preconceito e o personalismo, e aceitarem as teses da imortalidade da alma, da reencarnação e dos distúrbios mentais associados à mediunidade.

 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

DUROZOI, G. e ROUSSEL, A. Dicionário de Filosofia. Tradução de Marina Appenzeller. Campinas, SP: Papirus, 1993.
GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, [s.d. p.].
XAVIER, F. C. O Consolador, pelo Espírito Emmanuel. 7. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1977. 


Mais textos em PowerPoint:
 
ver mais

18 outubro 2010

Simpósio 2010

Realizou-se em 17 de outubro de 2010, das 9h às 17h30min, o 22.º Simpósio Espírita do Centro Espírita Ismael, cujo tema central foi: GOSTO PELAS ARTES: SINTOMA DE EVOLUÇÃO ESPIRITUAL.

Os sub-temas foram: Texto e representação despertando os Espíritos, por Aguinaldo Gabarrão (Diretor e ator teatral); Música, Medicina natural para a Alma", por Flávia Uhlmann (Professora); Melodia e ritmo, luzes para o equilíbrio, por Ione Dias Rocha (Arte Cênica); Versos e canções, antídotos contra o mal, por Paula Zamp (Intérprete popular).

O princípio que norteou as palestras: tomar consciência dos diferentes tipos de vibrações que a música proporciona ao ser humano, causando-lhe alegria ou tristeza. Foi um dia de muito aprendizado e de muita diversão.

Aproveitemos este evento para lembrarmos que a arte: 1) é um “sentimento interior” ou “experiência interior”, que é impossível dizer pelo pensamento discursivo; 2) teve uma história: 1º) a arte pagã enalteceu a perfeição da forma; 2º) a arte cristã ressaltou a beleza da alma sobre a beleza da forma, embora os seus autores tenham enfatizado o sofrimento e a morte; 3º) a arte espírita, sintetizando a arte pagã e a arte cristã, mostra a felicidade futura, sem as agruras do fogo eterno.

Em cada ser humano há um anelo à criatividade, à inovação, à manifestação de sua interioridade. Quantas coisas não podemos comunicar através da mímica, da música e da encenação teatral? Em vista disso, peguemos um papel em branco e tracemos alguns rabiscos e letras. Em pouco tempo, estaremos compondo poesias, músicas ou mesmo artigos sobre os mais diversos assuntos.
ver mais

06 outubro 2010

O Instrutor Espírita diante do Centro Espírita

O objetivo do ensino na Casa Espírita é transmitir ao educando informações básicas acerca dos princípios doutrinários, sem ferir o íntimo de cada ouvinte; ao contrário, criar condições favoráveis à recepção destes postulados, lembrando que cada um de nós está em níveis de percepção espiritual diferentes, cabendo ao instrutor ajustar-se às necessidades de cada grupo.

Para atuar na área de ensino, o colaborador deve ter as seguintes características: 1) não medir esforços para a preparação do assunto que irá expor; 2) ter facilidade de expor idéias aos outros; 3) estar a par das regras de oratória e exposição; 4) ser amante do conhecimento, não só espírita, mas de cultura geral; 5) não se melindrar com críticas e observações acerca de sua exposição; 6) dar abertura à influência do plano espiritual superior.

O instrutor deve ter em mente as técnicas de exposição. Hoje, mais do que nunca, precisamos estar a par dos avanços da informática: recursos dos programas de PowerPoint, por exemplo. Em se tratando das técnicas de exposição, há os diversos métodos de ensino, que nos orientam sobre palestra, dinâmica de grupo, debates orientados, sessão de brainstormings, entre outros. Tudo deve ser feito com critério, pois como se diz: “Se Jesus, na sua época, tivesse usado o PowerPoint, não teria nenhum discípulo”. Quer dizer, a postura e a empatia do expositor contam mais do que as aparelhagens modernas.

Em se tratando de uma Casa Espírita, onde nos ensinam que o Espírito já adquiriu conhecimentos em outras existências, o diálogo é de fundamental importância, pois um aluno com vivências passadas mais ricas do que a nossa, pode também nos ensinar muito, tornando a aula mais proveitosa.

O instrutor deve procurar expressar a Doutrina Espírita em seu tríplice aspecto, ou seja, em termos da filosofia, da ciência e da religião. Para muitos, a interligação parece difícil, mas o Espiritismo, sendo uma síntese de todo o conhecimento veiculado, pode analisar um assunto qualquer sob estes três aspectos. Com isso, desviamo-nos do comodismo de repetir frases de efeito, que não nos levam muito longe em nossas reflexões sobre a própria doutrina.

Evitar o “eu acho”, “eu penso”, “eu isso”, “eu aquilo”. Nosso problema é expor a Doutrina, lembrando que o termo doutrinário significa quem obedece rigidamente aos princípios da própria doutrina, prestando atenção à teoria no seu sentido abstrato, mais do que no prático. Podemos e devemos usar as nossas próprias palavras, mas refletidas e alicerçadas nos fundamentos básicos do Espiritismo.

O instrutor deve ter em mente que ele é apenas uma peça na organização global de uma Casa Espírita. Achar que a sua função é mais importante do que a dos outros pode fazê-lo desviar da verdade. Lembremo-nos de que cada um dos frequentadores tem uma tarefa específica. Ninguém é mais do ninguém, porque todos trabalhamos para a unidade - Centro Espírita - que, por princípio, não tem dono. É simplesmente uma organização religiosa.

Estejamos convictos de que só ensina quem aprende. Não sejamos os falsos profetas do Evangelho, aqueles que se colocam como disseminadores da doutrina do Cristo e não passam de expositores do erro e da discórdia.
ver mais

15 setembro 2010

Psicopatia e Espiritismo


Psicopatia é uma designação geral, pouco específica e controversa, para uma grande classe de modos anormais de vivência e conduta. Em geral, considera-se a psicopatia como desvio psíquico condicionado pela hereditariedade da norma média no campo da vida impulsiva, emocional e voluntária, que leva a uma adaptação errada. (1) A psicopatia deve ser analisada em função da falta de consciência do psicopata.

Pessoas que matam em defesa própria, parceiros que matam motivados por ciúme, pessoas extremamente narcisistas que matam movida por ciúme, pessoas que matam pessoas que se encontram no caminho de um objetivo etc. são alguns dos traços característicos dos psicopatas. (2)

Estatisticamente considerada, a psicopatia apresenta os seguintes dados: metade dos crimes hediondos dos EUA é cometida por psicopatas; 4 vezes mais crimes violentos são cometidos pelo psicopata, comparado ao criminoso comum; 70% é a taxa de reincidência de um psicopata em liberdade; 1 a cada 3 psicopatas é mulher.

Segundo Martha Stout, em Meu Vizinho é um Psicopata, a psicopatia pode atingir qualquer pessoa, independentemente de renda, poder ou belo porte físico. Esses distúrbios originam-se na pouca ou falta de consciência, cujo termo técnico é “Transtorno da Personalidade Antissocial”, uma incorrigível deformação do caráter, que se acredita estar em 4% da população mundial. (3)

Os sintomas dos distúrbios mentais relacionados com a psicopatia podem ser assim resumidos: incapacidade de adequação às normas sociais; falta de sinceridade e tendência de manipulação; impulsividade, incapacidade de planejamento prévio; permanente negligência com a própria segurança e a dos outros; irresponsabilidade persistente; ausência de remorso após magoar, maltratar ou roubar outra pessoa. (3)

De acordo a Doutrina Espírita, a lei de Deus está escrita na consciência do ser. Essa lei pode ser esquecida, mas há muitos abnegados instrutores, encarnados e desencarnados, encarregados de nos lembrar dela. São os Espíritos superiores, cuja missão é fazer progredir a Humanidade. (4)

Para a ciência médica, a falta de consciência permite ao indivíduo cometer qualquer crime. Na visão espírita, tudo tem a sua razão de ser e nenhum agravo à lei de Deus fica sem o reparo necessário. O esquecimento do passado, apregoado pela Doutrina Espírita, é apenas para nos livrar de embaraços maiores à nossa vivência neste mundo. No íntimo de cada um de nós há os germes da perfeição. Podemos, pelo nosso livre-arbítrio, contrariar aquilo que está dentro de nós, mas teremos que reparar em futuro próximo.

(1) DIETRICH, Georg e WALTER, Hellmuth. Vocabulário Fundamental de Psicologia. São Paulo: Edições 70, 1978.
(2) MUNDO ESTRANHO. São Paulo: Editora Abril, setembro de 2010, edição 103.
(3) STOUT, Martha. Meu Vizinho é um Psicopata. Tradução de Regina Lyra. São Paulo: Sextante, 2010.
(4) KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. 8. ed. São Paulo: Feesp, 1995.


Mais textos em PowerPoint:

ver mais

11 setembro 2010

Empirismo e Espiritismo

O empirismo refere-se às doutrinas filosóficas que admitem que o conhecimento humano deduz tanto seus princípios quanto seus objetos ou conteúdos, da experiência. Racionalismo, intelectualismo e intuicionismo são os termos opostos ao empirismo, pois admitem o conhecimento que não venha apenas pela experiência, ou somente pelas vias sensoriais.

Quando John Locke dá início ao empirismo inglês, a filosofia predominante é a cartesiana, cujo problema metafísico é resolvido pela teoria substancialista (três substâncias) de Descartes: res cogitans – a substância pensante – (alma), res extensa – a substância extensa – (o corpo) e Deus, a substância infinita criadora.

Descartes falava de três tipos de ideias: adventíciasfictícias e inatas. As ideias adventistas são as que sobrevêm em nós postas pela presença da realidade externa; as ideias fictícias são aquelas que por nós mesmos formamos em nossa alma; as ideias inatas são as que constituem o acervo próprio do espírito, da mente e da alma. Locke nega a existência de ideias inatas. Para explicar como as ideias se formam na mente, supôs que a alma fosse um papel em branco (tabula rasa) onde tudo o mais deveria ser escrito pelas sensações da experiência.

Berkeley e Hume dão prosseguimento às ideias sobre o empirismo. Berkeley elimina a substância material (res extensa) ficando apenas com a de pura vivência ou pura percepção. Hume faz desaparecer também as substâncias: res cogitans e Deus. Dizia que toda ideia que não tiver um correlacionado na existência real é falsa.

Allan Kardec, o codificador do Espiritismo, aplicava o método teórico-experimental em suas pesquisas. Dizia: “Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas; ele os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega à lei que os rege: depois, deduz-lhes as consequências e busca as aplicações úteis”. O Espiritismo não teve uma teoria preconcebida sobre a existência e comunicação dos espíritos. Foi pela observação, análise e estudo rigoroso dos fatos que se construiu o edifício espírita. (Kardec, 1975, cap. I, item 14)

A lei da reencarnação mostra-nos que o Espírito, eventualmente num corpo carnal, já teve outras experiências, outras vivências. Daí ser possível fazer ilações, que vão além daquelas feitas pelo empirismo, que só aceita o aqui e o agora da experiência. Com a reencarnação penetramos em outras memórias, as memórias espirituais, o que nos dá ensejo de enfatizar a existência de ideias inatas, negadas pelo empirismo.

O perispírito ou corpo espiritual é o elo de ligação entre o corpo físico e o Espírito propriamente dito. O problema da obtenção do conhecimento — pelos sentidos ou pelo espírito — tem aqui o seu esclarecimento: o Espírito é um todo, pois engloba o espírito propriamente dito, o perispírito e o corpo físico.

A certeza de que há vida além da vida faz-nos ampliar o conceito de um determinado fato (ele é presente, mas tem conexões com as vidas passadas e as futuras). Presentemente, estamos passando por uma experiência. Ela não está isolada, porque é reflexo de uma ação passada, englobando as existências passadas. Pode ser também um projétil para o futuro, e influenciando nossas futuras encarnações.

O Espiritismo, sendo a síntese do processo do conhecimento filosófico, não só elucida o problema da origem das ideias, como também nos fornece subsídios para entendermos a mecanismo das ideias inatas, negado pelo empirismo.



ver mais

06 setembro 2010

Depressão e Espiritismo

Depressão é o estado de abatimento psíquico e físico. É normal que as pessoas tenham períodos de depressão nervosa, mas quando ela é muito acentuada ou quando tende a se manter por períodos muito longos, pode-se tratar de uma perturbação mental. A psiquiatria é a ciência que cuida desses problemas mais graves, pois concebe a depressão como uma doença. Nesse caso, pode-se buscar a cura, inclusive com uso de remédios.

A depressão não é característica apenas da era moderna Na Bíblia, há relatos sobre os padecimentos dos atingidos pelo infortúnio, aqueles que perderam a fé em Deus, e com isso a esperança no futuro. Hipócrates, o pai da medicina, no século IV a.C., já nos esclarecia que a depressão tinha relações estreitas com o temperamento melancólico. Na Idade Média, esteve associada à força mística de alguma entidade misteriosa. Somente no século XVIII é que passou a ter características de método científico.

Os tipos de depressão são os mais variados. Há os casos próprios (depressão endógena) e os provenientes de doenças e frustrações várias. Exemplo: depressão das doenças orgânicas (hepatite, câncer, enfarte, Parkinson); depressão traumática (acidentes automobilísticos, acidentes de trabalho); depressão dos lutos patológicos; depressão em virtude da decepção amorosa.

Algumas estimativas numéricas: a depressão afeta 15 a 20% das mulheres e 5 a 10% dos homens; aproximadamente 60% das pessoas com depressão não fazem tratamento; atualmente 10% da população mundial sofrem do mal. Em dez anos, acredita-se que esse número será de 20%; recentemente, a Organização Mundial da Saúde classificou a depressão como uma das doenças que mais causam incapacidade. É a 4.ª numa lista de 5. Até 2020 terá ocupado o 2.º posto.

No Espiritismo, os passes e as prédicas evangélicas curam a depressão? Não resta dúvida que os fluidos emitidos pelos passes, seguidos pelas orientações doutrinárias espíritas, são extremamente úteis. Entretanto, o tratamento médico deve vir em primeiro lugar; os passes e as palestras são complemento não substituição. Tratar de uma obsessão quando o problema é físico pode gerar graves incômodos ao sujeito com depressão.

A depressão de hoje pode ter íntimas relações com vivências passadas. O Espírito André Luiz, no capítulo 4 de “No Mundo Maior”, oferece-nos subsídios para compreendermos o cérebro intoxicado. É caso do sujeito que assassinou o padrasto, roubou-lhe certa quantia de dinheiro, mas não deixou pista alguma à justiça. “Conseguiu ludibriar os homens, mas não pode iludir a si mesmo”. O padrasto, já no mundo espiritual, concentrando a mente na ideia de vingança, passou a segui-lo ininterruptamente. Daí em diante não teve mais sossego, por mais que trabalhasse e cuidasse dos seus familiares.

O Espírito Joana de Ângelis, nesta linha de vivências passadas, mostra-nos, na mensagem “Nostalgia e Depressão”, que as pessoas vitimadas pela insegurança e pelo arrependimento, perdem a liberdade de movimentos, de ação e de aspiração. A nostalgia reflete evocações ricas de momentos felizes, que não mais se experimentam. Pode perfeitamente proceder de existências passadas do Espírito.

Em vista da gravidade da depressão, que é o desarranjo do nosso estado mental, saibamos cultivar pensamentos de paz, alegria e bom ânimo, alicerçados nas prédicas trazidas por Jesus.



ver mais

25 agosto 2010

Divórcio e Espiritismo

O casamento é qualquer projeto de vida em comum entre pessoas de sexos diferentes. O divórcio é o rompimento legal do casamento. “Os Fariseus tiveram por dura a condição do matrimônio não admitir divórcio, alegando que melhor era não casar”. Diz-se também das dissensões entre marido e mulher ou entre amigos. Exemplo: dado o seu mau caráter, está em divórcio com todos.

Na Roma antiga, era costume casar-se e descasar-se. Na época, as mulheres contavam os anos pelo número de maridos. César, por exemplo, repudiou sua mulher com a simples alegação de que “a mulher de César não deve ser suspeita a ninguém”. Observava-se, também, que era uma honra para a mulher ter tido um único marido. Nesse caso, em seu túmulo ia a seguinte lápide: “não teve senão um marido”.

Nos Estados Unidos, 50% dos casamentos acabam em divórcio. Na União Européia, a cada 30 segundos um casamento é dissolvido. Por cada dois casamentos, há um que se rompe. De acordo com Censos e pesquisas do Registro Civil do IBGE, o número de divorciados no Brasil tem aumentado ao longo do tempo. Em 1980 houve 41.140 divórcios; em 1991, 378.469; em 2000, 2.319.595. Esses números representaram, respectivamente, 0,03, 0,26 e 1,37% da população. Presentemente, a cada 6 novos casamentos há 1 divórcio.

Tratando-se de Religião: 1) de acordo com o direito canônico, a indissolubilidade do matrimônio cristão adquire particular firmeza em razão do sacramento; 2) o divórcio como direito masculino é encontrado em Deut. 24, 1-4; 3) em virtude da facilidade de dissolução do casamento no Império Romano, os cristãos acabaram aceitando com facilidade a indissolubilidade do matrimônio. As suas convicções estão firmadas nas próprias palavras do Cristo, que só no adultério via motivo para o divórcio. (Mat., 19,9)

O Espírito Emmanuel, comentando a passagem evangélica sobre o divórcio, diz-nos que “partindo do princípio de que não existem uniões conjugais ao acaso, o divórcio, a rigor, não deve ser facilitado entre as criaturas”. A Divina Providência jamais prescreve princípios de violência. Caso optemos pela separação, talvez estejamos adiando os reajustes para uma futura encarnação.

De acordo com o Espiritismo, o divórcio é uma lei humana que tem por fim separar legalmente o que está separado de fato; não é condenável perante Deus, pois, ele trata de legitimar o que já está separado, isto é, regular separações onde não há amor, mas somente a união dos sexos ou de interesses materiais.

Saibamos que em nosso planeta, há raríssimas uniões de almas gêmeas, poucos matrimônios de almas afins e grande número de ligações de resgate. Tenhamos, assim, paciência e resignação e adiemos o máximo possível a ruptura de uma união matrimonial.





ver mais

24 agosto 2010

Assistência Espiritual: Palestra A2

A Assistência Espiritual, denominada A2, tem a duração de uma hora. A palestra evangélica propriamente dita é feita em aproximadamente 40 minutos. O restante do tempo destina-se ao preparo de ambiente, prece de abertura, avisos, vibrações e palavra do mentor espiritual. O seu objetivo é transmitir as verdades imorredouras do Cristo, no sentido de acalmar e equilibrar os pensamentos das pessoas presentes na reunião.

Além da mesa, composta por um diretor, um auxiliar e um médium psicofônico para receber as instruções dos mentores espirituais, pode-se, conforme for a quantidade de colaboradores, formar uma corrente de médiuns para dar sustentação ao trabalho.

A palestra A2 é um passe coletivo. Faz parte de uma engrenagem mais ampla, que é o trabalho de passes de um Centro Espírita. Essa assistência é indicada para os casos de natureza espiritual mais profunda: desespero, melancolia, cólera e melindres; perturbações e envolvimentos de fundo mediúnico, problemas de mediunidade (visões e arrepios) e depressão nervosa.

Em nosso dia-a-dia, estamos sujeitos a uma série de situações que nos causam estresse: a falta de dinheiro para o nosso sustento, o relacionamento no local de trabalho, as desavenças familiares, as rusgas e a nossa própria intemperança. Essas situações, quando administradas inconvenientemente, geram um desequilíbrio emocional muito intenso, provocando viés de conduta, necessitando de uma assistência espiritual, que no caso pode ser indicado o A2.

O A2 é um trabalho voltado para as pessoas, que após terem passado por outras assistências da Casa, já não apresentam acentuado grau de envolvimento espiritual negativo. O objetivo dessas palestras é melhorar o pensamento do frequentador, no sentido de mudar a sua conduta frente à vida e a si mesmo. É romper a simbiose e o monoideísmo.

Exemplifiquemos: o trabalho de desobsessão foi a primeira tentativa de doutrinar o obsessor. Acontece que os automatismos dos pensamentos de tristeza, melancolia, ódio continuam jungidos ao frequentador. Os ensinamentos evangélicos, transmitidos nessa assistência espiritual, podem perfeitamente desfazer esse automatismo e criar hábitos e atitudes voltados para o bem, para a felicidade.

Além dos cuidados com a preparação de ambiente e do médium, a do expositor reveste-se de relevância especial. Sob sua palavra, a reunião vai se desenrolar. O expositor precisa conhecer a Doutrina Espírita e, principalmente O Evangelho Segundo o Espiritismo, matéria-prima de sua exposição. Não é viável transformar a sua palestra numa aula. A aula tem outra dinâmica, pois está mais voltada para a razão do que para emoção. Lembremo-nos de que o expositor da boa nova assemelha-se a um técnico eletricista desligando as tomadas mentais infelizes.

Em todo o trabalho de assistência espiritual, pede-se que o frequentador tenha muita fé e confiança nos médiuns e nos Espíritos protetores. Assim, na condição de “assistido”, tenhamos fé; na condição de colaboradores, saibamos passar confiança e tenacidade aos que procuram uma Casa Espírita.
ver mais

15 agosto 2010

48º Aniversário do Centro Espírita Ismael

Segundo o Espírito Emmanuel, o Centro Espírita é a universidade da alma. Por quê? Enquanto o ser humano vai à faculdade para se formar em uma determinada matéria (profissão), o que lhe dará sustento para si e sua família, o Centro Espírita oferece-lhe o consolo espiritual para as suas dores e lhe abre a visão ao seu verdadeiro progresso espiritual.

O Centro Espírita Ismael, fundado em 15 de agosto de 1962, tem como objetivo principal a divulgação dos princípios doutrinários, codificados por Allan Kardec, a partir de 1857, quando do lançamento de O Livro dos Espíritos. Desde a sua fundação até hoje, a tônica é o estudo e o aprendizado do Espiritismo, como ciência, filosofia e religião.

Neste contexto histórico, tivemos a presença de grandes incentivadores ao estudo da doutrina, principalmente com a vinda de expositores da FEESP, no antigo Curso de Aprendizes do Evangelho.

Presentemente, sob a direção do nosso irmão Ivam Ricardo Rogério, há 30 reuniões de estudo por semana (aproximadamente 600 alunos), destacando-se as 20 classes das 5 turmas do Curso de Educação Mediúnica. Há, também, os Cursos de: Introdução ao Evangelho, Aprofundamento Doutrinário, Expositor, Entrevista, Passe, Samaritano, Doutrinador. Não nos esqueçamos das Palestras Públicas, realizadas aos sábados, sob a direção do Sr. Isadino dos Santos, e do Simpósio anual, pelo Sr. Bismael B Moraes.

Na mesma linha de estudo e aprendizado, há a Evangelização Infantil, sob a direção de Cláudio Biagi Gregório, realizada aos sábados, das 15 às 16h, onde acolhe mais de cem crianças. Lembremos de um de seus lemas: “Sr. pai ou responsável, traga os seus filhos para aprender o Espiritismo”.

Para o encaminhamento do frequentador, principalmente aquele que vem pela primeira vez, temos o setor de Entrevista e Colégio de Médiuns, sob a direção da dona Eunice Gomes. É deste departamento que saem as papeletas para que a pessoa possa fazer a sua assistência espiritual (passes).

O Departamento de Assistência Espiritual (Depasse) está a cargo da nossa irmã Terezinha de Fátima Sgulmar. Os passes ministrados no CEI, por volta de 5.000 ao mês, vão desde o passe dito “espiritual” até o samaritano.

Como complemento das atividades de estudo e de assistência espiritual, temos o setor de assistência social, sob os cuidados da Sra. Margarida Vidal Rossi. Depois de reconfortados pelos passes e pelo estudo doutrinário, podemos praticar a caridade, tanto material quanto espiritual.

Situemos o Bazar Beneficente (Maria de Lourdes Zanino), os Eventos Beneficentes (Eunice Gomes), a Lanchonete (Rose), a Biblioteca (Helena), a Livraria (Norberto) e a Limpeza do CEI (Daniela).

Todas essas atividades são desenvolvidas em nossas duas sedes que, somadas, perfazem uma área de 1.000 m2. Convém ressaltar que nada disso seria possível sem aqueles que nos precederam, notadamente os estão no mundo dos Espíritos.

Assim, só nos resta agradecer a colaboração de todos vocês, pois somos apenas uma peça na engrenagem, que se chama Centro Espírita Ismael.
Muita paz a todos.

ver mais

30 julho 2010

Aborto, O

O aborto - eliminação de um ser humano no período de vida compreendido entre a fecundação e o nascimento -, é um tema controverso. Ele está relacionado com diversos problemas, desde o direito de a mulher em dispor de seu corpo como bem entender até os imperativos da lei de Deus, que prescreve punições sobre o direito à vida de um ser sem defesa.

A problemática filosófica do aborto fundamenta-se no estatuto antropológico do embrião. A dúvida: quando é que o feto se torna pessoa e não simplesmente “pessoa futura” ou “pessoa potencial”? Em séculos passados, admitia-se a tese da “animação mediata”, segundo a qual o embrião era gradativamente informado pela alma vegetal, animal e, finalmente, racional. Foi abandonada no século passado pela tese da “animação imediata”, ou seja, pela simultaneidade entre a fecundação e a pessoa humana.

O estatuto antropológico do embrião levanta, também, um problema moral, ou seja, desde o momento em que o concebido é pessoa, qualquer aborto tem responsabilidade moral, pois há um homicídio dificultado pela impossibilidade de defesa e pela inocência do agredido. Sendo uma pessoa, desde o instante da fecundação, não é lícito pôr termo à vida do embrião. O correto seria tratá-lo como se já fosse uma pessoa.

Há vários tipos de aborto. Ele pode ser natural ou artificial, espontâneo e involuntário (pode, mesmo assim, haver culpa) ou provocado voluntariamente. Há o aborto ilegal, que é considerado crime e, como tal, penalizado pela lei civil. Podemos falar, também, do aborto clandestino.

As causas do aborto são muitas e variadas, sendo difícil avaliar a importância de cada uma delas. Além daquelas referentes à própria mulher (medo à gravidez e ao parto e os poucos recursos financeiros para sustentar o novo rebento), há as de origem familiar (pressão dos familiares, principalmente do marido) e as de ordem social (campanhas contra a fecundidade e famílias numerosas).

A condenação do aborto fundamenta-se numa apreciação moral, principalmente aquela trazida pela religião em que se acredita num Deus criador. Depreende-se que há um direito inalienável à vida. Nesse sentido, só Deus é senhor da vida. Assim, o ser humano não tem o direito de tirar a vida do seu próximo.

Pergunta: o aborto provocado é um crime? A Igreja, por exemplo, aceita a pena de morte e a guerra justa e condena o aborto. Quais são as suas razões? É que na guerra ou na pena de morte há um agressor; no caso do aborto, o novo ser não é um agressor e muito menos agressor injusto. Em realidade, é vítima inocente quando eliminado antes do tempo.

Na pergunta 358 de O Livro dos Espíritos, os Espíritos respondem: “Há crime sempre que transgredis a lei de Deus. Uma mãe, ou quem quer que seja, cometerá crime sempre que tirar a vida a uma criança antes do seu nascimento, por isso que impede uma alma de passar pelas provas a que serviria de instrumento o corpo que se estava formando.”

O aborto refere-se à paralisação da vida. No aborto, o feto não tem escolha: a vida lhe é tirada. Há uma infração à lei de Deus. Fala-se em crime. As conseqüências podem vir em futuras encarnações: quantos casais querem ter filhos e a mulher não consegue engravidar? Fala-se, também, em graves desajustes perispirituais, a refletirem-se no corpo físico, na existência atual e na futura, na forma de câncer, esterilidade e infecções renitentes.

O nosso corpo é um empréstimo concedido por Deus. Além de cuidarmos de sua higiene, física e espiritual, respeitemos, também, a vida que está dentro dele.

Fonte de Consulta

KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. 8. ed. São Paulo: Feesp, 1995.
LOGOS – ENCICLOPÉDIA LUSO-BRASILEIRA DE FILOSOFIA. Rio de Janeiro: Verbo, 1990.
POLIS - ENCICLOPÉDIA VERBO DA SOCIEDADE E DO ESTADO. São Paulo: Verbo, 1986.




Estude Online: Lista dos Cursos 24 Horas

COMPLEMENTO


Aborto provocado - Consequência para o Abortado - Dr. Ricardo di Bernardi

A especificidade de cada caso determina situações absolutamente individuais no que se refere a repercussões sofridas pelo espírito eliminado de seu corpo em vias de estruturação. 
Se existe na ciência do espírito uma regra fundamental que rege a lei de causa e efeito, poderíamos enunciá-la assim: a reação da natureza sempre se fará proporcional à intencionalidade da ação. Isto é, jamais poderemos afirmar que um determinado ato levará inexoravelmente a uma exata consequência.
Quando a responsabilidade maior da decisão couber aos encarnados, pai e ou mãe, eximindo o espírito de participação voluntária no aborto, teremos um tipo de situação a ser analisada.
O espírito, quando de nível evolutivo mais expressivo, tem reações mais moderadas e tolerantes. Muitas vezes seria ele alguém destinado a aproximar o casal, restabelecer a união ou mesmo, no futuro, servir de amparo social ou afetivo aos membros da família.
Lamentará a perda de oportunidade de auxílio para aqueles que ama. Não se deixará envolver pelo ódio ou ressentimento, mesmo que o ato do aborto o tenha feito sofrer física e psiquicamente. Em muitos casos manterá, mesmo desencarnado, tanto quanto possível, o seu trabalho de indução mental positiva sobre a mãe ou os cônjuges.
Nas situações em que o espírito se encontrava, em degraus mais baixos da escada evolutiva, as reações se farão de forma mais descontrolada e sobretudo mais agressiva. Espíritos destinados ao reencontro com aqueles a quem no passado foram ligados por liames desarmônicos, ao se sentirem rejeitados devolvem na idêntica moeda o amargo fel do ressentimento.
Ao invés de se sentirem recebidos com amor, sofrem o choque emocional da indiferença ou a dor da repulsa. Ainda infantis na cronologia do desenvolvimento espiritual, passam a revidar com a perseguição aos cônjuges ou a outros envolvidos na consecução do ato abortivo.
Em determinadas circunstâncias, permanecem ligados ao chakra genésico materno, induzindo consciente ou inconscientemente a profundos distúrbios ginecológicos naquela que fora destinada a ser sua mãe.
Outros, pela vampirização energética, tornam-se verdadeiros endoparasitas do organismo perispirutal, aderindo ao chakra esplênico, sugando o fluido vital materno.
As emanações maternas e paternas de remorso, de culpa, ou outras que determinam o estado psicológico depressivo, abrem caminho em nível do chacra coronário dos pais para a imantação magnética da obsessão de natureza intelectual.
A terapêutica espiritual, além da médica, reconduzirá todos os envolvidos ao equilíbrio, embora frequentemente venha a ser longa e trabalhosa.
Há também espíritos que, pela recusa sistematicamente determinada em reencarnar para fugir de determinadas situações, romperam os liames que os unia ao embrião. Esses terão seus débitos cármicos agravados e muitas vezes encontrarão posteriores dificuldades de reencarnar, sendo atraídos a gestações inviáveis e a pais necessitados de vivenciar a valorização da vida.
No entanto, o grande remédio do tempo sempre proporcionará o amadurecimento e a revisão de posturas que serão, gradativamente, mais harmoniosas e sobretudo mais construtivas.
Todos terão oportunidade de amar.
Dr. Ricardo Di Bernardi é médico pediatra - homeopata, palestrante espírita internacional e autor de vários livros. é presidente do ICEF - Instituto de Cultura Espírita de Florianópolis - http://www.icefaovivo.com.br/


ver mais

25 julho 2010

Cosmovisão e Espiritismo

Cosmo – do grego kosmos significa ordem, oposto ao Caos (kaos), desordem. Cosmovisão (Visão Geral de Mundo). Além de significar uma visão ou concepção de mundo, expressa também uma atitude frente ao mesmo. O Materialismo, o Espiritualismo e o Idealismo são cosmovisões. O que caracteriza essas diversas cosmovisões? Primeiro, um anelo de saber integral; segundo, a apreensão da totalidade; terceiro, a solução de problemas do sentido do mundo e da vida.

A marcha da degradação histórico-filosófica ocidental foi esta: Fé, Razão, Matéria. A marcha normal dessa evolução deveria ter sido: , Raciocínio (nada de endeusamento da razão, nada de racionalismo), Consciência. Da Fé ainda primitiva atingiríamos um estado empírico normal de reflexão madura, o qual teria conduzido à noção sistemática do Todo, à Consciência da Totalidade, à Verdade Cósmica.

O lugar hoje ocupado pela Matéria deveria estar Deus, ou seja, a Causa. Mas, com a inversão de tudo, está a antítese, isto é, o Efeito (a Matéria). Nesse caso, ao invés da Consciência, temos a Violência, pois a humanidade está filosoficamente invertida. Raciocinou às avessas. Em vez de atingir a Causa, atingiu o Efeito; em vez de chegar à Verdade, chegou à Ilusão. Esta é a situação do mundo na atualidade. Urge reinverter a ordem. Os postulados espíritas auxiliar-nos-ão eficazmente.

Para a concepção de mundo idealista, o Espírito é o motor do Universo; para a concepção de mundo materialista, o motor do Universo é a matéria. Cada qual defendendo o seu ponto de vista, torna difícil e quase impossível a compreensão do Todo. O Espiritismo veio no momento certo: reorganizar o edifício da FÉ, abalado pelo culto da RAZÃO e da MATERIALIDADE. Procedendo à síntese das várias concepções de mundo, encaminha o nosso pensamento para a Unidade do Todo. Por isso, dizemos que o Espiritismo é Ciência, Filosofia e Religião, ou seja, temos material suficiente para sintetizar Deus, Espírito e Matéria, sem pender para nenhum dos lados, mas analisando-os como uma trilogia inseparável.

O Espiritismo é, ao mesmo tempo, Filosofia, Ciência e Religião. Ele é a unidade sintética de todo o conhecimento. A conscientização desse fato faz-nos observar melhor o mundo que nos rodeia. Observando melhor, teremos a nossa visão acurada. Com nossa visão acurada, teremos mais condições de compreender o nosso próximo. Compreendendo melhor o nosso próximo, poderemos amá-lo, respeitá-lo e fazer-lhe tudo o que gostaríamos fosse feito a nós mesmos.

Fonte de Consulta

KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed., São Paulo, IDE, 1984.
KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. São Paulo, FEESP, 1972.
SANTOS, M. F. dos. Filosofia e Cosmovisão (Introdução à Filosofia e Visão Geral de Mundo). 2. ed., São Paulo, Logos, 1955.
TORRES, J. Totalidade e Sociologia (Introdução. Exposição Geral e Sumária de Cosmonomia. Cosmovisão Geral). Rio de Janeiro, s. e., 1953-1956.



Palestra em PDF

Baixe o áudio desta palestra
ver mais

Cartesianismo e Espiritismo

René Descartes (1596-1650) nasceu em La Haye, França, pertencendo a uma família de prósperos burgueses. Estudou no colégio jesuíta de La Fléche, na época um dos mais conceituados estabelecimentos de ensino europeu. Foi soldado, esteve sob as ordens de Maurício de Nassau. Participou de várias campanhas militares. As obras de Descartes são de considerável extensão. As mais importantes são: Regras para a Direção do Espírito (1628), O Discurso do Método (1637) e Meditações Filosóficas (1641).

A dez de novembro de 1616, o jovem Descartes teve um sonho premonitório. Sonhou que o Espírito da Verdade o visitara e, reverente, tal como é natural à Entidade de sua estirpe, comunicou-lhe que lhe competia a missão de edificar uma “Ciência Admirável”, cujas coordenadas lhe trouxe em outra visita onírica. Houve, ainda, uma terceira, concluindo o esclarecimento devido. Ao acordar, preocupado com a responsabilidade de tão grande missão, pediu a Deus que o amparasse a fim de que pudesse fielmente cumprir a grande tarefa, tão acima de suas parcas forças.

As quatro celebres regras: 1) Só admitir como verdadeiro o que parece evidente, evitar a precipitação assim como a prevenção; 2) Dividir o problema em tantas partes quantas as possíveis (é o que se chama regra de análise); 3) Recompor a totalidade subindo como que por degraus (regra da síntese); 4) Rever o todo para se Ter a certeza de que não se esqueceu de nada e que, portanto, não há erro.

Problemas levantados por Descartes, à luz do Espiritismo:

1 - PROVA DA EXISTENCIA DE DEUS: os Espíritos informam a Allan Kardec que Deus é inteligência suprema causa primária de todas as coisas. Para o Espiritismo, não há efeito sem causa. Tudo enquadra-se na lei natural. Ao “Penso, logo existo” de Descartes, J. H. Pires escreve “sinto Deus em mim, logo existo”. Quer dizer, Deus não é percebido pelo pensamento, mas pelo sentimento.

2 - RES COGITANS E RES EXTENSA: para Descartes, o Universo é constituído de dois elementos fundamentais: res cogitans e res extensa. Essas duas substâncias cartesianas, em termos espíritas, são a inteligência e a matéria que, juntamente com Deus, formam a trindade universal.

3 - UNIÃO DA ALMA E DO CORPO: partindo-se de que alma e corpo são distintos Allan Kardec, com o auxílio dos Espíritos, informa-nos que o perispírito — matéria quintessenciada — é o elemento de ligação entre a alma e o corpo físico.

O método cartesiano pode ser vislumbrado nas entrelinhas da Doutrina Espírita. Allan Kardec, em várias passagens da Codificação, fala-nos que devemos colocar tudo sobre o crivo da razão; que é preferível rejeitar nove verdades a aceitar uma única verdade como falsidade; que a fé inabalável somente é aquela que consegue enfrentar a razão face a face em todas as épocas da humanidade.

Esse estudo do Cartesianismo serve não só para nos chamar a atenção sobre o tema, como também o de sugerir o desenvolvimento e aprofundamento do mesmo. Se assim o fizermos, vamos encontrando o verdadeiro encadeamento das idéias e uma explicação racional da síntese filosófica elaborada por Allan Kardec.

Fonte de Consulta

Enciclopédias
PIRES, J. H. O Espírito e o Tempo: Introdução Antropológica ao Espiritismo3. ed., São Paulo, EDICEL, 1979.


Palestra em PDF

Baixe o áudio desta palestra
ver mais